sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Rogério, morador de rua, amigo dos animais

Entrevista: Rogério, o amigo dos animais
Rogério, 57 anos, conta sua história. Desde quando saiu de casa, até quando decidiu viver com cães.
“Você não é o primeiro que vem falar comigo”, diz o entrevistado assim que o repórter o aborda pedindo uma entrevista. “Sou Rogério, o amigo dos animais”, diz mostrando um CD com músicas que gravou. Rogério é figura conhecida no bairro do Jabaquara, zona sul de São Paulo. Vive em uma carroça adaptada com vários cães. Confira os principais trechos da entrevista de Rogério:
Vida pessoal
Moro aqui no Jabaquara há 42 anos. Levo minha casa para qualquer lugar. Agora estou aqui, na frente do [Conselho] Tutelar. Fugi de casa por volta dos 12 anos por causa do meu pai, ele era drogado e violento. Saí da Bahia e vim para São Paulo tentar a vida. Aí entraram os amigos em minha vida.
Os amigos
Esses daqui são verdadeiros amigos [aponta para os cães]. Nunca me traíram! Tem dias que estou bravo e mesmo assim eles estão comigo. Posso esbravejar com eles e nunca nenhum me traiu. Eles são gente, nós somos apenas animais.
Contato com pessoas
As pessoas sentem inveja, traem aqueles que dizem ser amigos. Eu brigo com a cachorrada, que nem agora [os cães lambiam e brincavam com a reportagem] e eles continuam comigo, sempre fiéis e leais. A humanidade tem muito o que aprender com os cães. Eles são amigos mesmo, pode confiar! Não tem maldade alguma.
Encontrando amigos
Quando cheguei da Bahia, era sozinho. Fui me virar, coletando latas. Morei na Cracolândia por alguns anos, mas tive problemas com o pessoal de lá. Tinha problemas morando lá. Muitos drogados na região e eu nunca usei nada, estava lá me virando. Aí andando pela cidade fiz amizade com os cães. Não precisavam de muito para serem meus amigos, coisa que não tive aqui desde que cheguei. Decidi que tinha que cuidar deles.
A carroça
Tenho tudo aqui dentro! Ganhei uma carroça no ferro-velho, logo que cheguei em São Paulo. Cismei que faria da carroça minha casa. O dono do ferro-velho deu risada, achou que eu estava doido. Peguei um maçarico e comecei a soldar. Coloquei até telhado! Agora a carroça é minha casa e da cachorrada. Tem remédios pros cães, minhas coisas, os brinquedos deles, comida, utensílios… Pensei que chegaria lá e cheguei.
Maus-tratos
O Toby [aponta para um poodle preto] foi jogado do carro por um rapaz numa Mercedes! O povo abandona muitos animais. Um rapaz que não respeita os animais não respeita ninguém. Outro dia, do outro lado da Avenida [George Corbisier] queimaram mais de 15 filhotes de cães. Que gente é essa?
Problemas
Na época da carrocinha sofri muito. Levaram vários dos meus amigos, fiquei muito triste. Tinha 30 cães, hoje são apenas 10. Levaram vários dos meus amigos e os sacrificaram! Também tive problemas com a polícia… Eles sempre pegam o cara errado [risos]. Acham que por estar na rua, sou bandido. Ao contrário! Sofro bastante com a violência. Vândalos queimaram minha antiga carroça! Tive que dormir no papelão com os cães.
Cadeia
Quase fui preso por causa do Toby! Quando o rapaz o jogou pela janela do carro, bati nele! A polícia chegou e me deteve, mas apenas defendi um animal. Eles são indefesos, ninguém protege os animais. O rapaz que jogou o Toby pela janela não foi preso, nem processado. Tive sorte de uma advogada sensibilizada com o caso me ajudar.
Gandhi
Li um livro dele. Foi por acaso, mas gostei das palavras. Até pintei uma frase dele na carroça [a inscrição da carroça diz: "A grandeza de uma nação pode ser julgada pelo modo que seus animais são tratados"]. Quando queimaram minha carroça, o livro estava lá dentro. Ainda vou encontrar outro exemplar, se vou!

Deus te dá saúde, o resto você consegue buscar. Com fé eu consigo buscar coisas boas para meus amigos. Sempre encontro pessoas boas, dispostas a me ajudar. Nós estamos aqui para fazer coisas boas no mundo.
Artes
Pintei alguns muros na região. Gosto muito de ler, escrever e pintar. Fiz uns grafites nesse muro, você achou bacana [aponta para um muro todo trabalhado com bastante pinturas e frases. Nota: não deve nada aos muros pintados por profissionais]? Me deram umas latas de tinta e pintei, também gosto mesmo de cantar. Gravei um CD e quero participar do Raul Gil. Canto samba e pagode, gosto bastante.
Na mídia
No programa da Luísa Mell foram 4 vezes [Rogério fala sobre o extinto programa da Rede TV, "Late Show"]. Gravaram matérias, conversaram comigo, mas nunca me ajudaram. Ganham dinheiro com minha história, mas nunca ajudaram em nada. Na internet, se você procurar por “Rogério, o amigo dos animais”, vai me encontrar, mas ajuda mesmo…
Ajuda
A UIPA (União Internacional Protetora dos Animais) me ajuda com doações de alimentos para os cães, e tem o pessoal do bairro que sempre ajuda. Um açougue aqui do lado sempre doa ossos e carnes para eles matarem a fome. Tem um pessoal do bairro que compra ração, ossos, biscoitos para eles. Uma clínica veterinária atende os cães por um preço reduzido, o bairro me acolheu e sempre ajuda a cachorrada.
Notícias
Não leio jornal, nem vejo TV. Só tenho um rádio para ouvir futebol, que é o que eu gosto. Não tenho TV e nem quero ter. E jornal é difícil de arrumar para ler. Fico com o radinho e as pilhas e ouço só o futebol mesmo.
Futebol
Gosto de futebol, torço para o Corinthians. Mas esses 3 times da capital são fogo! Só se metem em brigas! Esse pessoal só vai para brigar e acabei perdendo a vontade de assistir os jogos dos clubes. Fico mesmo com a seleção, vou torcer nessa Copa do Mundo. Somos todos brasileiros, não pode ter briga!
Necessidades
Com pouco eu me viro. Mas eles [aponta para um saco de ração para cães], precisam de bastante coisa. São 15 Kg de ração por semana, eles comem bastante. Olha a Nina [mostra uma fêmea de pastor alemão que pesa 52 Kg]! Só com um pouco de paz, pra mim já está bom. Só preciso de ajuda para matar a fome dos meus amigos.
A causa
Lutar pelos animais vale! Gente que faz mal aos outros é que não vale! Vivo com os cães e para eles. Ainda sonho com uma delegacia que cuide, de verdade, dos direitos dos animais. Sou feliz junto dos cães e não me imagino fazendo outra coisa.

Fonte: http://blogdocarrasco.wordpress.com/2010/06/27/entrevista-rogerio-o-amigo-dos-animais/





2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Se cada um fizesse somente 5 % do que ele faz, não teriamos animais de rua né.

    ResponderExcluir

Este blog tem basicamente duas funções: ajudar animais abandonados que precisam de um novo lar e conscientizar as pessoas de que animais são seres que sentem e sofrem e não podem ser tratados como algo descartável. Os comentários que não apresentarem relação com assuntos que aqui tratamos não serão publicados. Obrigada!